Email: Senha: Encerrar sessão
Brasil, Adicione aos Favoritos Definir como P�gina Inicial
  Home
  Cadastro
  Notícias
  Consulta Tít. Eleitor
  Guia do Eleitor(TSE)
  Como Votar(TSE)
 -Eleições 2018
  Calendário Eleitoral
  Cand. Presidente
  Cand. Governador
  Cand. Senador
  Cand. Dep. Federal
  Cand. Dep. Estadual
 - Links Governos
  Senado Federal
  Câmara Federal
  Ass. Legislativas
  Governos Estaduais
  Prefeituras
  Câmaras Municipais
  TSE
  Lista TREs
 -PolíticaBR
  Famigos
  Matérias
  Sua Mensagem (Novo)
  Dúvidas
  Links
  Utilidade Pública
  Classificados
  Seu Curriculum
  Fale Conosco
  Hospedagem de Sites
  Politica de Privacidade

div>
Enquete

No se trata de Pesquisa Eleitoral, conforme art. 33 da Lei no. 9.504/97, mas de mero levantamento de opinies, sem controle de amostra, sem uso de mtodo cientfico para sua realizao, dependendo, apenas, da participao espontnea do interessado.

Se as Eleies Fossem hoje, em quem votaria para Presidente?

Lula
Fernando Henrique
Dilma Rousseff
Antony Garotinho
Jos Serra
Acio Neves
Ciro Gomes
Fernando Gabeira
Marina Silva
Heloisa Helena
Qualquer outro menos estes
Vou Anular meu Voto
Vou votar em Branco


 
Ver Resultados

Registre seu dom�nio
www.
By Nomer.com
 
 
Publicidade
Jornal Correio Popular

Jornal Correio Popular
 
Notícias - 01/03/2011

Senador quer incluir na Constituio o direito ao acesso internet

O senador Rodrigo Rollemberg (PSB-DF) protocolou no Senado uma proposta para incluir na Constituição Federal o direito de acesso à internet a todos os cidadãos. Para o senador socialista, a rede mundial de computadores contribui de maneira importante para a “formação pessoal, intelectual e profissional dos cidadãos” e por isso deve se tornar um direito social dos brasileiros.

Rollemberg propõe modificar o artigo 6 da Constituição, que trata dos direitos sociais. Pela proposta, o artigo passaria a ter a seguinte redação: “São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o lazer, ‘o acesso à rede mundial de computadores (internet)’, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma da Constituição”.

Apresentada no final da tarde desta quarta-feira (2), a matéria será analisada e votada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado em dois turnos antes de ser enviada ao plenário. Se for aprovada pelos senadores, a proposta ainda terá de receber o aval da Câmara para só então ser promulgada pelo Congresso e virar lei.

Para convencer os colegas a aprovar a proposta, Rollemberg levantou dados que mostram a situação de acessibilidade à internet no Brasil. Enquanto o percentual da população com acesso à web em países como Austrália, Holanda, Suécia e Islândia é de cerca de 70% a 90%, a parcela com acesso à rede no Brasil fica abaixo da do Chile (28,9%), Uruguai (20,6%) e Argentina (17,8%).

“O pior é que essa média baixa de inclusão digital encobre desigualdades extremas”, argumenta  Rollemberg no projeto.

O senador ainda lembra estudos especializados que comparam o acesso à internet em escola públicas e privadas. “No ensino fundamental, apenas 17,2% dos alunos das escolas públicas usam a internet, ao passo que, nas escolas particulares, esse número sobe para 74,3%”, diz o texto da proposta. Entre estudantes de ensino médio, a inclusão digital representa 37,3% das escolas públicas contra 83,6% nas privadas.

Tornar o acesso à internet um direito constitucional dos brasileiros não garante imediatamente a proliferação da rede no país, diz. Segundo o senador, o Congresso e o próprio governo federal devem trabalhar após a criação do novo direito para estabelecer políticas de acessibilidade.

Felicidade
Em novembro do ano passado, a CCJ do Senado aprovou uma proposta de emenda à Constituição para incluir o termo “busca da felicidade” na Constituição Federal. A matéria ainda está em discussão no Congresso. Pela proposta, os direitos sociais como educação, saúde, alimentação, trabalho, moradia, entre outros passam a ser “essenciais para a busca da felicidade”.

O autor do projeto, Cristovam Buarque (PDT-DF), argumenta na justificativa que a intenção é prever na Constituição que o cidadão tem o direito de buscar a felicidade e que o estado tem de prover os direitos sociais para prover isso. Ele destaca que a “busca da felicidade” pressupõe a felicidade coletiva.

“Evidentemente, as alterações não buscam autorizar um indivíduo a requerer do Estado ou de um particular uma providência egoística a pretexto de atender à sua felicidade. Este tipo de patologia não é alcançado pelo que aqui se propõe, o que seja, repita-se, a inclusão da felicidade como objetivo do Estado e direito de todos”, argumenta Buarque.

 





Este site é melhor visualizado com o Internet Explorer 8.0 ou Superior e resolução 800x600.
Política de Privacidade - PoliticaBR 2004-2016 - Todos os direitos reservados